Nos últimos tempos tenho suspeitado de que cada vez mais tem se procurado por modos rápidos de consumir conhecimento.  A velocidade com a qual deseja-se que coisas aconteçam, sempre tudo  deve ser para o dia anterior nada que demora mais do que alguns minutos é  bom o suficiente. Essa vontade desenfreada de que tudo aconteça quase  que imediatamente parece ter influenciado o modo de vida do ser humano e  por consequência a sede de rapidez durante o consumo de conhecimento. Basta observer alguns pontos para que esse questionamento surja.

Videos (Youtube, Vimeo e similares)

Todos eles, não importando de qual gênero, levam à expressões como “ah não, não tenho tempo para isso é muito longo”, “não tem algo mais curto? mais conhecido?”, “nossa isso vai demorar muito, vou ver aquele outro que é resumido”.

Além  disso parece que a crescente necessidade em consumo rápido tem gerado  uma evasão de conteúdos de maior qualidade e atraído essas pessoas para  conteúdos rápidos e em sua maioria rasos, há videos bons e curtos mas  eles raramente aprofundam no conhecimento e não possuem tantas  visualizações ou curtidas como outros que viralizam.

Porque é negativo?

Ao  invés do foco de um produtor de videos de YouTube ser o conteúdo ele  passa a ser totalmente o seu público alvo. Ou seja, dado que o consumidor não possui “tempo” suficiente para assistir algo maior do que determinado tempo o produtor pode decidir, por exemplo:

  • Incluir ou não várias informações no video.
  • Não publicar o conteúdo.
  • Reduzir a qualidade do conteúdo, isso pode acontecer também indiretamente.

Um  conteúdo de baixa qualidade e/ou reduzido pode ter um péssimo custo  benefício, apesar de ser consumido rapidamente não faz crescer o  conhecimento do consumidor, por vezes nem no fator entretenimento.

Como poderia ser positivo?

A  dificuldade pode ser considerada como um catalisador da criatividade,  assim sendo o fato de possuir menos tempo da atenção de sua audiência  pode motivar o produto à buscar novas formas de passar um conhecimento  sem denegrir a qualidade do conteúdo que o apresenta.

Nesse  quesito ainda é possível inclusive aproveitar-se da situação para fazer  um conteúdo de maior valor e qualidade divido em múltiplos videos, por  exemplo.

Textos (Blogs, artigos, livros e coisas escritas em algum lugar)

Tornou-se muito comum encontrar em diversos canais de leitura a expressão TL;DR que significa muito longo; não li do inglês too long; didn’t read.  É incluso um resumo do artigo nessa seção, muitas vezes utilizado para  passar o conhecimento total do conteúdo de forma exageradamente  sintetizada ao invés de servir como introdução. Isso se deve à vontade  de consumir de tudo e estar sempre conectado à toda informação, mesmo  que em detrimento do verdadeiro saber, compreensão e qualidade do  conteúdo alvo.

Mesmo nos livros é possível identificar um certo grau dessa mesma tendência do imediatismo.

Porque é negativo?

Escrever  bem de verdade não é tão simples quanto parece, pior ainda quando se  fala de artigos e livros, e um nível acima se for para artigos de cunho  científico.

Conhecendo artigos científicos é possível constatar  não só a dificuldade que é escrever um bom resumo como também o é  escrevê-lo de forma que possa ser compreendido e seja coerente.  Extendendo para outros tipos de artigo o típico TL;DR enfrenta um  problema pior, pois precisa fazer o mesmo que o resumo de um artigo  científico mas tem potencialmente um público que pode interpretar esse  resumo de formas completamente inesperadas, muito provavelmente erradas.

Além  disso esses artigos enfrentam problemas similares ao dos vídeos,  questões de qualidade e tamanho que amparam e modificam decisões  diversas, como marketing, conteúdo e formato. Em situações muito  restritivas um livro poderia deixar de ser lançado, dado que seu tamanho  não está de acordo com o esperado para determinado público.

Como poderia ser positivo?

Novamente  a criatividade advém das intempéries e com as restrições que são  colocadas através desse limite de tempo do consumidor pode-se gerar  mudanças no formato, conteúdo e marketing.

Um bom texto pode virar  uma série de artigos, um bom livro pode virar uma saga, um artigo  científico poderia ser publicado em formatos variados.

O marketing  poderia divulgar um livro como sendo tão bom que suas partes são  coerentes o suficiente para que o primeiro capítulo caiba em alguns  poucos tweets.

No caso dos textos há ainda outra ponto diferente  dos videos, normalmente não se busca um vocabulário novo quando se quer  falar de um assunto em poucos minutos. Mas ao reduzir o espaço que um  autor pode desprender escrevendo, faz-se necessário usar de toda sua  experiência ou buscar ajuda para tornar um texto curto uma maravilha de  conteúdo e coerência, realmente disseminando conhecimento de forma  competente.

Outras mídias que sofrem com imediatismo

Não  há pretensão de extender o assunto de forma exaustiva para todos as  situações onde acredita-se que existam problemas. No entanto ficam aqui  listados outras mídias e formas de disseminação de informação:

  • música
  • filmes e documentários
  • jogos (candy crush, angry birds…)
  • palestras (mini ted talks)
  • aulas
  • programas televisionados

Porque esse assunto é importante?

A  forma como disseminamos conhecimento tem um poder incrível sobre as  pessoas. Há uma frase muito conhecida que reflete essa questão:

O conhecimento é em si mesmo um poder. Francis Bacon

Se  não for possível compreender como o consumidor do conhecimento se  comporta não será possível nem adequar o conteúdo à ele, muito menos  educá-lo para que consuma o conteúdo de forma que realmente construa  algum conhecimento.

Ao aprender que o contexto de como a  informação é consumida mudou, pode-se adaptar o conteúdo a essa nova  situação talvez reduzindo ou até anulando o impacto negativo que o  imediatismo causa.

Alguns comentários finais

Esse texto é  apenas uma teoria e não um trabalho de pesquisa científica e por isso  contém um direcionamento e visão pessoais. Assim sendo também não  considera pontos importantes como:

  • Cada público sempre demandou períodos de tempos diferentes, é difícil manter a atenção de crianças por longos períodos.
  • Alguns tipos de conteúdo realmente não necessitam de muito tempo.
  • Nem todo bom livro precisa ser uma saga.
  • Preferência  de consumo é subjetiva e pode não necessariamente estar relacionada ao  imediatismo. Uma pessoa pode gostar de ver tutoriais curtos primeiro e  se tiver interesse mergulhar em tutoriais mais densos.
  • Outras considerações que fogem da memória ou pesquisa do autor.

São  bem vindas análises e comentários para que esse ponto de vista seja  explorado ou completamente refutado dado os devidos fatos e pesquisa.

Wisdom  is the right use of knowledge. To know is not to be wise. Many men know  a great deal, and are all the greater fools for it. There is no fool so  great a fool as a knowing fool. But to know how to use knowledge is to  have wisdom. Charles Spurgeon

Foto da capa por Joao Tzanno - Unsplash