Nem sempre sabemos como começa

Um aperto no peito

A sensação de ansiedade

A falta de direção

O vazio em meio a multidão

A busca por uma centelha de atenção

O foco perdido quando nada existe para removê-lo

Um oceano de sensações que abundam a mente

Afogamento no seco

Carência?

Tristeza?

Aflição?

Como uma tormenta forte

Arrasa a costa da vida

Penetra fundo na alma

Bagunça pura, sem explicação nem motivação

Não se sabe a duração

Não se vê um raio de sol dentre as nuvens

Às vezes é possível fugir para céus mais limpos

Outras é preciso atravessar até o fim

Foto da capa - Vitor Navarro